O elefante Barroso e a ordinária Apolinária

Preço sob consulta
. Comprar  
Autora: Neusa Sorrenti
Ilustradora: Denise Rochael

Em forma de narrativa em versos, o texto narra a história de um ingênuo elefante que resolve fazer um “check-up” com uma médica pra lá de esperta: a doutora Apolinária. Seu diagnóstico é ameaçador. Barroso precisa emagrecer rapidamente. Mas o esperto do coelho acaba descobrindo o golpe da ordinária Apolinária...

 
ISBN: 978-85-88600-73-0
Nº de páginas: 12
Formato: 14,8x21 cm
Idade: 7 a 8 anos
Coleção:

ATIVIDADES SUGERIDAS
 
Temas abordados: cuidados com a saúde, credibilidade ou não dos diagnósticos, esperteza x inteligência, ingenuidade, a importância da amizade sincera.
 
- Descreva com a turma o elefante Barroso, pedindo que expliquem as suas características físicas e emocionais. Trata-se de uma personagem simpática, medrosa, obediente, confiante, triste, alegre?
- Pergunte: o que é um check-up costumeiro? É importante fazê-lo? Por quê?
- Convide um médico ou algum profissional da saúde para falar com os alunos sobre o problema das alterações da pressão arterial, sobre obesidade e dietas. Prepare com a turma algumas perguntas para que a entrevista seja objetiva e prazerosa para todos.
- Peça aos alunos que escrevam as palavras do texto que não conhecem.
- Na p. 6, lemos que o Barroso, de tanto comer folhinha, passou a ser peso-pena. Que categoria é essa? Em que modalidade de esportes ela é usada?
- Enumere, com os alunos, os passos do plano da Apolinária, um por um, colocando também o seu objetivo principal. Deixe claro até onde ele deu certo... e quando começou a desandar!
- Observe com os alunos que o texto é todo construído com versos ritmados, favorecendo a sua musicalização. Podem ser usadas as melodias de "Ciranda, cirandinha", "Peixe vivo" e outras que a turma quiser. Brinque de fazer leitura cantada: páginas pares, voz de meninas; páginas ímpares, vozes de meninos.
- Proponha que a turma produza um texto, individual ou em grupo, mostrando a reação de Apolinária, quando seu plano foi descoberto. Será que ela sentiu medo, apenas resmungou na hora em que leu o bilhete ameaçador(p. 10) ou saiu aos berros contando valentias pela floresta afora?
-Alguns livros mostram que as personagens, quando são desmascaradas ficam obedientes e boazinhas, "porque aprenderam a lição". Pergunte: na vida real, isso sempre acontece? Os vilões ficam mansinhos depois do castigo? A raposa Apolinária tornou-se boazinha? Por que a autora escolheu esse final para ela? Discuta essa questão, lembrando que a literatura não foi feita para dar normas de comportamento. Sendo arte, ela foi feita para divertir o leitor ,alargar os seus horizontes e provocar questionamentos.
-Retome o gancho: o que é mesmo uma cartomante? No começo do ano, vários videntes fazem previsões para o ano que se inicia ou para as pessoas de destaque no país. O que a turma acha disso?
- Se puder, leia para a turma o livro O elefante, de Carlos Drummond de Andrade, Record. Em seguida, peça comentários sobre a obra. Depois desenhe um elefante num papel bem grande e convide os alunos para colarem dentro dele bilhetes contendo os seus desejos mais urgentes, os seus sonhos mais queridos...
-Mais uma pergunta aos alunos: vocês acham que a Naná Vidente pode vingar-se do elefante Barroso? Ele deve fugir dela e jamais procurá-la? Por quê?
- A ilustradora "brincou" muito desenhando a história. Proponha que cada grupo ou dupla escolha a imagem que considerou mais interessante e diga os motivos da escolha.

TEXTOS QUE PODEM AUXILIAR SEU TRABALHO, PROFESSOR:
- SQUARISI, Dad. Pedalando pelas Fábulas. Franco Editora.

 
Veja também